Constituição e Ordenanças da Igreja Gnóstica Livre

Art.1º – A Igreja Gnóstica Livre é uma Organização jurisdicionada ao Collegia, fundada em 01 de novembro de 2017 e estendendo sua autoridade sobre os dois hemisférios e devotada à perpetuação da Tradição Apostólica, Iniciática e Gnóstica, e sua divulgação de acordo com os costumes, usos e ordenações das Ordens Iniciáticas, sendo uma instituição essencialmente filantrópica, filosófica e sem fins lucrativos.
Art.2º – Proclama a prevalência do Espírito sobre a matéria. Pugna pelo aperfeiçoamento moral, intelectual e social da humanidade, pelo cumprimento do dever, da prática da beneficência e da investigação da Verdade. Defende a liberdade de expressão do pensamento, como direito fundamental do homem. Reconhece o trabalho como um dever social: julga-o digno e nobre. Defende que o meio ambiente, os direitos humanos e a liberdade são direitos inalienáveis de todo indivíduo.
Art.3º – A Igreja Gnóstica Livre tem como princípio, transmissão apostólica de forma Livre, sendo cada Bispo um Iniciador Livre, sendo este o único responsável por seus iniciados, ressalvando que para diplomações outorgadas pela Igreja Gnóstica Livre, o mesmo deverá proceder de acordo com as regras e orientações desta.
Art.4º – O Conselho Episcopal da Igreja Gnóstica Livre é formado pelos Bispos da Igreja, com um presidente e um secretário eleitos para um mandato de 3 anos, podendo ser reeleitos sucessivas vezes, sendo o órgão responsável para aprovação e orientação de todos os assuntos relativos a gestão da Igreja, ritualísticos, disciplinares, litúrgicos, financeiros, em sua esfera secular ou espiritual.
Parágrafo único: Todos os Bispos, por ocasião de sua consagração, fazem parte do Conselho Episcopal da Igreja, possuindo direito à voz e voto.
Art.5º – A Igreja Gnóstica Livre está aberta a homens e mulheres de boa costumes e boa reputação que tenham sido julgados merecedores de admissão, sendo propostos por membro(s) da Igreja.
 Art.6º – Os Bispos, auxiliados pelos Sacerdotes são responsáveis pela administração dos assuntos da Igreja e em suas funções ritualísticas, em seus círculos de ação.
Art.7º – O Conselho Episcopal deverá se reunir uma vez por ano, ordinariamente, no Equinócio de Primavera e extraordinariamente, sempre quando for necessário. A convocação extraordinária pode ser feita por qualquer Sacerdote que tenha problemas graves no cumprimento de suas funções.
Art.8º – O Conselho Episcopal, poderá designar comitês especializados para encarregarem-se de aspectos particulares das atividades da Igreja.
Art.9º – A Igreja Gnóstica Livre é constituída como todas as Ordens autênticas e legitimamente iniciáticas, de três classes ou categorias de membros efetivos, que formam assim os graus ou fases ou etapas graduais da Iniciação Gnóstica.
1º Círculo: Associados simples, aqueles que admitidos na Comunidade, são marcado pelo batismo.
2º Círculo: Aqueles que receberam uma das Ordens Menores.
3º Círculo:  Aqueles que receberam uma das Ordens Maiores
Art.10 – É prerrogativa do Conselho Episcopal a aprovação de criação de Ordens Laterais para o desenvolvimento de atividades particulares dentro da estrutura da Igreja. Esta criação deve estar referendada por 3 bispos e as atividades desta ordem deverão ocorrer sob a supervisão de ao menos um destes
Art. 11 – A transmissão dos graus só pode ser feita pelos Bispos e Sacerdotes – exceto a ordenação de novos Sacerdotes e Bispos, que somente podem ser realizadas por um Bispo.
Parágrafo único – É recomendado que toda a ordenação seja feita por 3 bispos ou sacerdotes, de forma que um deles seja o celebrante e os outros 2 como testemunhas
Art. 12 – Admissão e Filiação: a admissão à Igreja é efetivada através de uma cerimônia de recepção denominada batismo, preferencialmente feito dentro do templo físico.
Art. 13 – A cerimônia de recepção na Igreja (Iniciação) é totalmente gratuita.  Assim também o é a filiação à Igreja.
Art. 14- Imutabilidade e Emendas: os artigos desta Constituição e Estatutos são imutáveis e não podem portanto ser cancelados ou alterados em nenhuma hipótese, salvo por aprovação do Conselho Episcopal, em reunião convocada para esta finalidade específica com pelo menos duas semanas de antecedência, e aprovado por maioria simples
Art. 15 – A sede da Igreja Gnóstica Livre é a capital do estado do Rio de Janeiro.
Aprovado em 01 de novembro de 2017
Por unanimidade dos Bispos Fundadores
Luiz Franklin de Mattos Silva
Tau Teophylo
Tales de Azevedo e Vasconcellos
Tau Hanu
Felipe Eduardo Portela de Paulo
Tau Enoch